quarta-feira, 27 de junho de 2012

Prurido generalizado

Fevereiro de 2009

Uma noite acordei com comichão nos braços. Cocei e voltei-me para o lado para voltar a dormir. Continuei a ter comichão. Cocei de novo e voltei a coçar. Senti comichão nas pernas e cocei. Como a comichão não passava decidi acender a luz para ver o que era.

Descobri que tinha os braços e as pernas todas em erupção, vermelhas de alergia. Aguentei até às 5h da manhã e desseperado por não suportar mais decidi ir às urgências do Hospital da Amadora.

Não havia dermatologista neste hospital. Mandaram-me ir ao hospital de São José, onde também não havia dermatogista. Porquê? Porque era domingo.

Receitaram-me Atarax (ansiolítico, sedativo e hipnótico) para aliviar a comichão. Mandaram-me ir na manhã seguinte a uma consulta de dermatologia no Hospital Santo António dos Capuchos.

Na farmácia perguntaram-me se estava a conduzir. Respondi que sim. Disseram-me para só tomar o medicamento quando chegasse a casa. Assim fiz.

Após ter tomado o medicamento sentei-me no sofá a ver televisão. Claro que a comichão passou. Acordei passado nove horas.

No outro dia, na consulta de dermatologia receitaram-me:

          - Xeramance sem perfume
          - Elocom (a pomada do início em São Ciro)
          - Actavis
          - Medrol (este com um tratamento calendarizado com desmame)

Entretanto nesta altura já tinha as unhas das mãos e dos pés cheias de fungos entre a unha e o seu leito e com pontos ou manchas tipo picada de agulha que depois iam aumentando até estragar a unha. Fizeram testes para descobrir se tinha algum fungo mas os testes não acusaram nada.

Sem comentários:

Enviar um comentário